Coordenador : Elizabeth Carla Vasconcelos Barbosa
Ano: 2017
Publico Alvo : Grupos quilombolas; comunidades rurais e movimentos sociais do campo e da cidade da região das baixadas litorâneas, em especial, movimento de mulheres em Rio das Ostras (como o Movimento Chega de Estupros); movimento camponês (a partir da experiência de organização no assentamento Osvaldo de Oliveira (MST); produtores rurais agroecológicos da região, consumidores de produtos agroecológicos; profissionais da rede de Educação e Saúde dos Municípios: Casimiro de Abreu, Macaé e Rio das Ostras.
Local de atuação: RIR
Resumo
O programa se propõe contribuir com a consolidação de experiências de formação política e humana; de articulação e de visibilidade das ações de organização e resistência de grupos e comunidades quilombolas, movimentos sociais e populares, tanto rurais quanto urbanos. Para isso privilegiamos a articulação com outros centros de formação e educação popular (a exemplo da ENFF), com movimentos sociais (MST, Movimento Chega de Estupros, etc) e outras universidades da região (docentes do Curso de Nutrição da UFRJ) na perspectiva da defesa dos direitos humanos e da cidadania, destacando-se ações de formação política; de resgate da cultura e de resistência sócio-cultural; e de afirmação de uma concepção integral de saúde. Esta proposta nasce em 2011 e desde então articula as diversas ações de extensão dos Cursos de Serviço Social e Enfermagem. Destaca-se projetos interdisciplinares como a Semana de Cultura Afro-brasileira em RO. Este ano de 2017, o grupo interdisciplinar desdobra-se em Vivências em Cultura Afro-brasileira em Rio das Ostras , amplia-se nos Projetos de Extensão: Semeando Vida Digna em Saúde: produção, circulação e consumo de alimentos agroecológicos e Terra, saúde e direitos: extensão popular junto a movimentos sociais. Através de uma estratégia interdisciplinar e de metodologias participativas construídas por estudantes e professores dos Cursos de Serviço Social e Enfermagem da UFF de RO, orienta-se em uma perspectiva integral de direitos humanos, qualidade de vida e soberania alimentar e nutricional, que pretende alargar as margens, não apenas do processo de ensino-aprendizagem, mas também da própria função social da Universidade Pública.