Coordenador : Odara Horta Boscolo
Ano: 2018
Publico Alvo : Alunos de instituições públicas e privadas de Ensino Fundamental e Médio e creches, universitários de ensino público e privado, professores regentes e funcionários das escolas atingidas, famílias dos alunos matriculados nas escolas, moradores de comunidades tradicionais de Niterói - RJ e graduandos da UFF, além do público em geral.
Local de atuação: GBG
Resumo
Nossos ancestrais conheciam e usavam cerca de 5.000 tipos de vegetais e atualmente são utilizadas apenas 130 espécies, 95% das nossas exigências alimentares são cobertas por apenas 30 vegetais e mais da metade dos nutrientes vem do milho, arroz e trigo. As grandes cidades são abastecidas diariamente pelos mesmos tipos de vegetais destinados a alimentação, o que empobrece o cardápio da população e subvaloriza a biodiversidade local, por não serem plantas nativas, em maioria. Assim, algumas plantas conhecidas como inços ou daninhas apresentam grande potencial alimentício e podem ter um papel importante como suplemento da dieta alimentar, fonte de renda complementar, fator de redução de impactos ambientais, além de ser uma medida de valorização dos recursos naturais. Estas plantas espontâneas com potencial alimentício vêm sendo cada vez mais estudadas, e são denominadas Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC). Este projeto prevê atividades práticas a serem realizadas em diferentes cursos de graduação em diversos segmentos da sociedade. As atividades serão planejadas considerando os interesses das instituições alvo. Ainda, pretende-se ampliar a discussão para as comunidades tradicionais de Niterói, investigando se os moradores destas fazem uso de plantas alimentícias não convencionais. Assim, o projeto busca compartilhar o estudo e incentivar o uso de plantas nativas de potencial alimentício nestas comunidades, como também o conhecimento que as envolve. Os resultados do trabalho serão divulgados à comunidade acadêmica e ao público participante.