Coordenador : Flávia Maia Silveira
Ano: 2018
Publico Alvo : O público-alvo será constituído por pessoas idosas residentes em Instituições de Longa Permanência, prioritariamente as restritas ao leito ou com grande dificuldade de mobilidade, que não têm acesso aos serviços odontológicos fora da Instituição.
Local de atuação: FFE
Resumo
A população brasileira teve sua média de idade aumentada nas últimas décadas, necessitando o desenvolvimento de políticas públicas e estratégias efetivas que garantam a qualidade da atenção à saúde do idoso. O envelhecimento pode ocasionar modificações biopsicossociais, fisiológicas e patológicas, tornando o idoso mais vulnerável a doenças e a incapacidades físicas, mentais e funcionais. Quanto à saúde bucal, podem ocorrer alterações nas glândulas salivares e língua, perda de autonomia para a realização do autocuidado, alteração na microbiota e, no Brasil, alta prevalência de edentulismo e doença periodontal. Essas condições também são fatores de risco para infecções, principalmente em instituições de longa permanência. Este projeto analisará os efeitos do envelhecimento e de seu enfrentamento, através de um programa de promoção da saúde bucal para 250 idosos residentes em duas instituições de longa permanência em Nova Friburgo/RJ, prioritariamente os acamados ou com mobilidade limitada, embora todos os idosos sejam atendidos. Serão realizados os exames clínicos bucais e laboratoriais da saliva e biofilme e os índices de Biofilme (IBV), Periodontal Comunitário (IPC), de cárie (CPO-d), mini exame do estado mental (MEM), qualidade de próteses e o questionário GOHAI sobre qualidade de vida relacionada à saúde bucal, antes e depois da implementação do programa de promoção de saúde bucal proposto, que executará atividades de educação em saúde e tratamento odontológico, de acordo com as necessidades individuais. Espera-se que o projeto promova a resolubilidade das demandas clínicas, redução de microrganismos e de focos infecciosos e melhora de qualidade de vida relacionada à saúde bucal.