Coordenador : Glauco Bienenstein
Ano: 2018
Publico Alvo : O projeto está associado ao programa: “A Universidade e o direito à cidade: assessoria a movimentos sociais no Estado do Rio de Janeiro”, que beneficiará comunidades em Niterói e São Gonçalo, com o foco de atuação nas comunidades que integram o Fórum de Luta pela Moradia; no Rio de Janeiro, as ações estarão concentradas naquelas integrantes do Conselho Popular que são atendidas pela Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, além da comunidade localizada em Volta Redonda atuando no Conselho Comunitário do FURBAN e de comunidades em Seropédica. Até o momento, estão envolvidas no Fórum de Luta pela Moradia, as seguintes comunidades de Niterói: morros da Chácara, Arroz e Estado (Centro), Lazareto, Peixe Galo e Salinas (Jurujuba), Ocupação Mama África (São Domingos), Fazendinha (Sapê), Cantagalo (Pendotiba), Colônia de Pescadores da Ponta da Areia (Ponta da Areia), Beira da Lagoa de Piratininga (Piratininga), Colônia de Pescadores de Itaipu (Itaipu); de São Gonçalo, participa a comunidade Vila Esperança (Porto Novo); da cidade do Rio de Janeiro, no Conselho Popular, e atendidas pelo Núcleo de Terras Defensoria Pública, temos: Vila Autódromo, Arroio Pavuna e Victor Konder (Barra da Tijuca), Vila União de Curicica (Curicica), Rio das Pedras; (Itanhangá), Araçatiba (Guaratiba), Indiana e Metro Mangueira (Tijuca), Pontal do Caeté (Prainha), Radio Sonda (Ilha do Governador); em Volta Redonda, temos na Ocupação Dom Waldyr.
Local de atuação: NEPHU
Resumo
O projeto tem como objetivo geral subsidiar o programa Universidade e direito à cidade: assessoria a movimentos sociais no Estado do Rio de Janeiro. As comunidades organizadas envolvidas no projeto são representadas pelo Fórum de Luta pela Moradia (Niterói), pelo Conselho Popular (Rio de Janeiro) e pelo Conselho Comunitário do FURBAN (Volta Redonda). A proposta dá continuidade ao trabalho que já vem sendo desenvolvido junto às comunidades vinculadas ao programa, entendendo que a questão da moradia compreende não apenas o direito ao acesso ao teto propriamente dito, mas também aos serviços públicos e ao direito a um planejamento urbano que propicie uma vida (urbana) digna. Vale ressaltar que as áreas onde haverá o acompanhamento e o desenvolvimento dos temas foram definidos coletivamente nos respectivos fóruns de cada cidade. O programa é formado por diversos projetos que se articulam nas ações de ensino, pesquisa e extensão no âmbito, especialmente, da UFF. Desse modo, este projeto pretende realizar o acompanhamento e mapeamento dos conflitos, elaborando uma cartografia dos conflitos existentes nas comunidades atendidas pelo programa. Para isso, serão realizadas oficinas que estarão voltadas para identificação de atores protagonistas da resistência e dos agentes antagonistas da luta. A orientação de tal proposta se baseia na realização de uma cartografia que identifique os principais conflitos nas disputas pelo território, assim como na confecção de mapas subsidiados com os dados do IBGE, transversalizando-os, quando possível, com outros órgãos governamentais vinculados aos serviços públicos e de pesquisa, que serão apresentados, posteriormente, em uma plataforma online.