Coordenador : Aluisio Gomes da Silva Junior
Ano: 2019
Publico Alvo : O publico alvo desta ação são os trabalhadores da rede municipal da cidade de São Gonçalo, docentes e discentes da UFF que tenham interesse na temática.
Local de atuação: MPS
Resumo
Na história do Sistema Único de Saúde (SUS), dois movimentos se destacam a partir da década de 70, insatisfeitos com as condições de saúde da população e com a forma de assistência médica ofertada: O Movimento de Reforma Sanitária e o Movimento de Reforma Psiquiátrica, ambos impulsionando um ampla reforma do setor, em oposição do modelo hospitalocêntrico: o modelo hegemônico de assistência ligado a medicina científica e outras correntes que colocavam a centralidade das ações no hospital e nos especialistas, discutido por Silva Junior (1996) e outros autores. A organização e expansão de uma rede substitutiva ao modelo hospitalocêntrico tem início no final da década de 80, sendo o primeiro Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) inaugurado em 1987, em Santos, São Paulo (CAPS Itapeva). Nos anos 1990 começam a ser viabilizados recursos para financiamento em estruturas não manicomiais e várias portarias são lançadas regulamentando estas estruturas e o modelo tecnoassistencial, sendo hoje a prática clínica a este público denominada Atenção Psicossocial. A criação da Estratégia de Saúde da Família também foi um marco importante na expansão do novo modelo. O objetivo principal deste projeto é contribuir para a formação e reflexão sobre o cuidado às pessoas em sofrimento psíquico grave, inclusive decorrentes do uso de álcool e outras drogas na lógica da Atenção Psicossocial, buscando dar continuidade ao movimento de Reforma Psiquiátrica.