Coordenador : Mara Edilara Batista de Oliveira
Ano: 2019
Publico Alvo : Comunidades Tradicionais camponesas que vivem algum tipo de conflito seja aquele referente à luta pela terra, pela educação,pelo trabalho, ou aquele referente ao apagamento de saberes milenares que vêm sendo engolido pelo modelo de desenvolvimento da sociedade capitalista atual, e que vêem na cartografia social uma forma de resistência, de autonomia e de domínio e conhecimento dos seus territórios.
Local de atuação: DGP
Resumo
Esse projeto tem como objetivo apoiar as experiências cartográficas coordenadas pelo grupo de pesquisa CARTONOMIA, o qual vem promovendo processos cartográficos com povos e comunidades tradicionais na região da Costa Verde do Rio de Janeiro, por meio de ações de pesquisa, de tecnologias e de extensão da universidade. Os mapas chamados oficiais vêm sendo um importante instrumento de controle e poder na constituição dos territórios e suas fronteiras. As atividades propostas por esse projeto visam, portanto, difundir e propagar processos cartográficos, vivenciados a partir da metodologia da Cartografia Social, a qual consiste na mobilização da comunidade, a partir de suas demandas e conflitos, na construção de mapas que sirvam de instrumentos de apoio na resolução dos mesmos. A ideia é ainda que a Cartografia Social, entendida enquanto uma tecnologia apropriada ou social, possibilite às comunidades tradicionais a apropriação de ferramentas que antes eram opressoras, como os mapas, e as transformem em um importante instrumento de autogestão territorial. A extensão seria assim um espaço de encontro desses saberes, científico e tradicional, proporcionando um rico processo que permite a apropriação de geotecnologias por comunidades tradicionais, que após vivenciar experiências cartográficas constroem seus próprios instrumentos de gestão territorial a partir da tecnologia apropriada.