Coordenador : Nazareth de Novaes Rocha
Ano: 2020
Publico Alvo : Alunos de graduação e profissionais da área da Saúde.
Local de atuação: MFL
Resumo
Os fatores de risco para o desenvolvimento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs) podem ser classificados como modificáveis ou não modificáveis. Entre os fatores modificáveis, estão a hipertensão arterial, a ingestão de álcool em grandes quantidades, o diabetes mellitus, o tabagismo, o sedentarismo, o estresse, a obesidade e o colesterol elevado. Já entre os fatores não modificáveis, destaca-se a idade, havendo clara relação entre o envelhecimento e o risco de desenvolver DCNTs. Outros fatores não modificáveis são a hereditariedade, o sexo e a raça. O conhecimento da prevalência dos fatores de risco para DCNTs, principalmente os de natureza comportamental, isto é, os que podem ser modificados, é fundamental por serem sinais de alerta para o crescimento da morbimortalidade relacionada a essas doenças. Deter o crescimento das DCNT é um desafio que levou as Nações Unidas a convocar uma reunião de alto nível em 2011, que resultou num plano global de enfrentamento aprovado por mais de 190 países membros em maio de 2013, dentre eles, o Brasil. Medidas educativas enfatizando a relação entre os fatores de risco e o desenvolvimento de DCNTs prevalentes no Brasil tornam-se importantes para que graduandos e profissionais de saúde identifiquem mais rapidamente os fatores de risco ditos modificáveis em sua comunidade podendo, desta forma, contribuir para a diminuição da morbimortalidade em nosso país. Desta forma, o presente curso tem como objetivo identificar os fatores de risco modificáveis e sua associação com a fisiopatologia das DCNTs mais prevalentes em nosso país.