Coordenador : Adriana Soares Dutra
Ano: 2020
Publico Alvo : Assistentes Sociais
Local de atuação: SSC
Resumo
Os desastres configuram-se em um campo de trabalho do assistente social. A partir do predomínio de um recorte, que tem como uma de suas consequências a ênfase na fase aguda, assistentes sociais encontram-se entre os profissionais que são chamados a intervir. Em geral, tal intervenção se efetiva após a ocorrência dos impactos e é comum que se constitua tendo como principal demanda o atendimento de vítimas e familiares, incluindo cadastramento, orientação para acesso a programas e direitos, gestão de abrigos, triagem, entre outras ações. A Pandemia que assola o mundo desde o aparecimento dos primeiros casos da COVID-19, se configura em mais um exemplo desta realidade. Seja na área de saúde, assistência social, educação, habitação, entre outras, assistentes sociais têm sido desafiadas a colocar seus saberes a serviço da proteção da vida e da garantia de direitos. A atuação em desastres, especialmente no momento das emergências, escapa à rotina do cotidiano, pressupondo uma série de legislações, normas, formas de fazer próprias de um período no qual a normalidade encontra-se suspensa. Contudo, a excepcionalidade que caracteriza os desastres em suas crises agudas não pode ser confundida com uma intervenção voluntarista. A gestão dos desastres requer uma equipe preparada, composta por profissionais com competência teórica e também técnico-operativa, possibilitando o melhor manejo dos instrumentos e recursos. Com base neste entendimento, o principal objetivo da capacitação proposta é contribuir para a capacitação de profissionais do Serviço Social para atuação em desastres, tendo conhecimento de conceitos teóricos, legislações e políticas concernentes à área.